Literatura climática: A espiral da morte

Por Felipe Nobrega em 20 de dezembro de 2019

Não seria nenhuma surpresa dizer que o livro do jornalista Claudio Angelo é único dentro da literatura sobre as mudanças climáticas no mercado editorial brasileiro. Com uma linguagem simples, mesmo que a quantidade de informações e dados científicos exijam vários exercícios de tradução, o conteúdo pode ser considerado dos mais densos sobre o tema.
 
Angelo tem ampla trajetória na área, desde a década de 90 trabalha com o que podemos chamar de jornalismo ambiental, sendo responsável pela questão dentro de grandes jornais do país. Desse acúmulo, o que surge é o resultado de anos de investigações que apontam para a certeza de que sempre houve mudanças no clima, mas é agora que a intervenção humana está agindo como nunca antes para acentuar um processo de aquecimento global.
 
A partir de relatos, quase como um diário de viagem, o autor apresenta expedições científicas ao Ártico e à Antártida com duas intenções: contar a história de uma ideia, de como os cientistas sabem o que eles sabem sobre os polos e o clima, como uma espécie de exploração das fronteiras do conhecimento, cheia de avanços decididos, recuos vergonhosos, chutes certeiros e desvios inesperados; contar uma história de exploração das zonas mais inóspitas da superfície terrestre, até hoje largamente desconhecidas.
 
E quem aparece como referências são, entre vários que surgem ao longo do livro, dois pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Marcio Souza e João Arigony concedem algumas informações ao livro, e com isso valorizam o trabalho feito dentro da nossa universidade no cenário nacional.
 
O uso de imagens, gráficos, somados a já citada linguagem, deixam a espiral da morte um livro que está ao alcance de todas e todos. E nada melhor do que ter um bom material informativo para que ocorra a popularização do tema, que deve ser observado não só com certo alarme, mas sobretudo com o entendimento da importância da ciência para discutir a questão das mudanças climáticas.
 
A espiral da morte – como a humanidade alterou a máquina do clima
Autor: Claudio Angelo
Editora:Companhia das Letras
Ano: 2016

Escrito por: Felipe Nobrega

Graduação em História (FURG), mestrado em História (UFRGS) e doutorando em Educação Ambiental (CAPES/FURG). Tema de pesquisa: Fenômenos Ambientais Costeiros e Mudanças Climáticas.

Redes sociais


Textos de Apoio


O Ribombo organiza encontros quinzenais para discutir seus temas de pesquisa e elaborar novos projetos no campo da EA. Clique no botão para ir à página dos textos de apoio de cada reunião

Parceiros


logo furg
logo ppgea

Colunistas